Doe Sangue
Doe
Sangue
Menu

Fala, Doutor!

A coluna Fala, Doutor! é um canal entre a instituição e você.

O nosso objetivo é orienta-lo para promoção de saúde e qualidade de vida, portanto participe enviando suas dúvidas que estaremos selecionando e respondendo com o auxílio de nossos médicos especialistas.

Conheça os sinais da doença renal crônica e quando é hora de buscar ajuda

Por Dr. Sérgio Damião SantAnna Moraes

 

 

 

“Previna-se!” Esse é o nome da Campanha Nacional da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) para prevenção da doença renal crônica. Março é o mês do rim. A insuficiência renal crônica, deficiência completa na função dos rins, leva a necessidade da terapia renal substitutiva - hemodiálise, e posterior transplante.

A doença tornou-se uma epidemia mundial em consequência do envelhecimento da população, da sobrevida maior do diabético, obesidade e aumento das pessoas adultas com hipertensão arterial sistêmica. No passado, a doença renal crônica era causada, principalmente, pelas nefrites e cálculos (pedras).

Na atualidade, o diabetes mellitus e hipertensão são as mais frequentes. Nestes dois casos elas são silenciosas. Normalmente nascemos com dois rins e localizam-se na região lombar, nas costas, um de cada lado, cada rim pesa em torno de 150 gr e mede 12 cm.

Podemos nascer e viver com um rim só, tanto que em vida podemos doá-lo para um parente que venha a precisar. Os rins filtram 25% de todo o nosso sangue a cada minuto; mantém o equilíbrio de água e sal dentro do corpo humano; produzem hormônios para evitar a anemia e fortalecer nossos ossos e controle da pressão sanguínea.

Os rins possuem uma boa reserva funcional, e com isso, mesmo com lesão em suas células, podem por vários anos compensar essa perda. Por isso o alerta de “doença silenciosa”. Existe dor, muitas vezes insuportável, em caso de cólica renal, infecções urinárias e renais, nesses casos a disfunção, quando aparece, é reversível, dita insuficiência renal aguda.

O exame de urina simples (EAS) e a dosagem da uréia e creatinina no sangue, exames baratos e de fácil realização, são recomendados principalmente para hipertensos, obesos, diabéticos e os com história na família de doença renal.

A perda de proteína na urina é um bom marcador de lesão vascular renal e sistêmica. Diminuindo sua perda, controlando a hipertensão e mudanças de hábitos alimentares, diminuindo o sal na alimentação, podemos prevenir ou atenuar as doenças cardiovasculares - infarto do coração, derrame cerebral e insuficiência renal.

Os sinais da doença renal: pressão alta, inchação nas pálpebras no período da manhã, sangue na urina, palidez cutânea e fraqueza. As pessoas com sinais de doença ou que já apresentam a doença renal devem evitar anti-inflamatórios.

A insuficiência renal crônica pode se manifestar em qualquer idade. Por isso, o alerta para a prevenção iniciar-se na infância – devemos ficar atentos às crianças com infecção urinária de repetição.

 

 

 

 

Dr. Sérgio Damião Sant'Anna Moraes

Nefrologista do Setor de Hemodiálise da Santa Casa

 

Comentários


Telefone 28 2101-2121

Endereço Rua Dr. Raulino de Oliveira, 67
Centro - Cachoeiro de Itapemirim - ES
CEP 29300-150

 

 

Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro de Itapemirim

 

Vagas para deficientes

VAGAS PARA DEFICIENTES
A Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro de Itapemirim está com seleção para Contratação de PCD (Pessoas com Deficiência) e /ou reabilitados o INSS. Basta procurar o Setor de Recursos Humanos do Hospital, localizado na Rua Dr. Raulino de Oliveira, 71, Centro, ou cadastra currículo pelo site. Mais informações pelo telefone 28 2102-2121.

Mais informações?

Cadastre seu nome, cidade e e-mail nos campos abaixo e receba notícias sobre a Santa Casa

Copyright © Hospital Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro. Todos os direitos reservados.